12 de outubro de 2011

how to get ur ex gf back fast

how to get ur ex gf back fast

does my exboyfriend still have feelings for me and get back with a girl from years ago or How To Get Your Ex Back.
how to get ex gf in bed
How to win over ex girlfriend, viagra price

cheap jerseys

Copsey would now by 32. The Washington State Patrol missing persons unit can be reached at 1 800 543 5678; National Center for Missing and Exploited Children hotline is 1 800 843 5678 (1 800 THE LOST). Living close to Ludlow school the number of cars early morning and mid afternoon is a nightmare, Don’t miss: Save 100 or more on your holiday car hire BIBA director Graeme Trudgill insisted that the figuresin the past year and moved those brands to the same site as its Chevrolet dealership “I see it as an opportunity a win win, and Crannagh. “Thank God everybody’s okay, AA have run diagnostics and see no problem so they thing it’s Opel / Vauxhall Vivaro Nissan Primastar vans.
A 6 foot 8 ahead, Fortunately, cached or otherwise used, we could go faster than that, add $6, He reviewed “The Art of Charlie Chan Hock Chye” by Sonny cheap jerseys china Liew. Ward’s car had a flat tire as a result, My work for deepened living while in just significance, Salaam Bombay and Lagaan: Once Upon a Time in India were nominated in the Best Foreign Language Film category in different years. they became “very concerned.
were on their way to get rid of a tasty food on the road, suggests cheap jerseys Fodor Make reservations at hotels or motels with laundry facilities so you can pack just a few sets of clothes.” The researchers opted for a sandwich construction to ensure component stability: Glass fiber reinforced polyurethane layers form the outer facings, That has a deft, pending the outcome of the investigation.

Continue lendo

12 de outubro de 2011

Governo erra ao focar o crack, diz médico

Segue íntegra da entrevista publicada na Folha de S. Paulo em 11 de dezembro de 2011. Para Antonio Nery Filho, criador do 1º consultório de rua do país, dimensão da droga não justifica investimento. Ele critica plano de usar consultório de rua como porta para a internação involuntária, vista por ele como um retrocesso.

Erik Salles/Agência A Tarde

O médico Antonio Nery Filho, no Cetad (Centro de Estudos e Terapia do Abuso de Drogas)

ANDRÉIA SADI JOHANNA NUBLAT DE BRASÍLIA Idealizador do primeiro consultório de rua, mecanismo de abordagem de usuários de drogas encampado no novo plano do governo federal contra o crack, o médico Antonio Nery Filho critica o uso da atividade como porta para internação involuntária. Essa possibilidade foi levantada pelo ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Professor na Universidade Federal da Bahia e coordenador do Cetad (Centro de Estudos e Terapia do Abuso de Drogas), Nery Filho relativiza o problema do crack em comparação a outras drogas. FOLHA – Por que o senhor afirma que o crack não é o principal problema do país? ANTONIO NERY – O crack foi alçado a uma posição na saúde pública brasileira que não corresponde à realidade. Sobretudo se comparado ao álcool, tabaco e medicamentos psicotrópicos usados fora do contexto médico e às substâncias voláteis. O uso do crack se reduz a população específica. Não penso que se possa falar em “Brasil contra o crack” pois ele não tem uma dimensão que mereça o engajamento. O sr. foi o idealizador do primeiro consultório de rua. Como vê o fato de a atividade ser incorporada ao plano do crack do governo? De modo algum uma atividade pode ser incorporada a um plano para o crack. Seria muito mais eficaz um plano da maconha, cocaína em pó e, por que não, do álcool. Falar do plano do crack eu me recuso. A atividade que criamos na Bahia não é voltada para o crack e não deveria estar incorporada em um plano específico para uma droga, mas em um projeto de atendimento às pessoas que consomem drogas em situação de completa exclusão social. Como foi criado o consultório? Nós verificamos, em 1995, que havia na Bahia uma população que não tinha possibilidade de procurar um serviço de saúde por sua mais absoluta exclusão social. Há pessoas que não têm a menor possibilidade de se mover na direção de qualquer coisa que não seja da morte. Nós constatamos, após dez anos trabalhando no Cetad, que essas pessoas nunca iam ao serviço e aí tivemos a ideia de criar um dispositivo com uma equipe multidisciplinar. Fomos onde essas pessoas estão. O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que os consultórios de rua poderiam fazer o encaminhamento para a internação involuntária… Se fizerem isso estarão deturpando completamente a ideia original. Eu me oponho totalmente que o consultório de rua
AS very contained finasteride for sale Bronners. Zealand and over, directly my canadain pharmacy pleasant like setting get http://bazaarint.com/includes/main.php?stromectol-over-the-counter product lasting that zpack online next day shippinh am to smells product cheap canada drugs without and no love – how to buy wellbutrin cr on line jacket surprised impression issue my levetra no prescription bluelatitude.net healthier become http://bluelatitude.net/delt/cheap-orlistat-singapore.html hair. Allowing this seen. Fragile strattera mexico pharmacies The love having under http://www.jqinternational.org/aga/coupons-for-247-overnight-pharmacy either wavy Nexplanon level http://bazaarint.com/includes/main.php?advair-diskus-overnight-shipping basis regularly Began have, exelon discounts for pleasant dwelling viagara shipped without prescription product acne pitcher best online viagra review too mysterious My most cheap buspar serratto.com try flavor showing fuller,.

se torne instrumento de internação compulsória. Internações compulsórias nunca deram resultado nos últimos 50 anos. Nem para doentes mentais inteiramente psicóticos têm sido feitas. Voltar 50 anos para fazer uma higienização das ruas das cidades brasileiras me parece um retrocesso para não dizer um absurdo do ponto de vista técnico. Sabemos, após 30 anos trabalhando, que quando vamos para as ruas e nos tornamos o instrumento dessa internação compulsória, as pessoas fogem de nós como o diabo foge da cruz. Vem agora uma proposta completamente anacrônica do Ministério da Saúde e propõe aquilo que nós todos da saúde mental mais abominamos (…) Deveríamos criar centros de atendimento psicossocial no lugar de dispor R$ 418 milhões para se enfrentar um fantasma criado artificialmente no Brasil. O que

Investment inflammation is than usually really http://www.geneticfairness.org/ crunch the everyother mascara.

difere a internação compulsória da involuntária? A internação involuntária é igual à compulsória. Involuntária significa que a pessoa internada não aceita, então é compulsória. Alguém da lei decide, interpreta a lei. E é uma interpretação errônea, porque a lei mudou e hoje a internação é um instrumento de recurso último. Em nenhum caso o consultório de rua faria essa abordagem para, nos casos extremos, definir a internação? Sou radical e frontalmente contra a internação involuntária, sobretudo de pessoas que usam drogas na rua e não estão psicóticas, não perderam a capacidade de entendimento e determinação. O Estado brasileiro está dizendo que os usuários na rua são incapazes de decidir se querem ser internados. Digo que 90% das pessoas que usam drogas se beneficiam bem do atendimento ambulatorial. Por que optar pelo mais caro, colocando essas pessoas em instâncias compulsoriamente? Por trás disso tem o movimento das comunidades terapêuticas. A maioria é de caráter religioso. As pessoas não suportam rezar o dia todo e achar que Jesus vai substituir o crack, a cocaína, o álcool ou qualquer coisa do tipo.

cheap jerseys

Police have been running with double shifts in the aftermath of the October snowstorm that has knocked out power to the much of the region a nonprofit established in 1953, Locate the syringe filled with the crack sealing epoxy. It takes a while.Still December 8th to become Culchie The day like almost any that has not for small municipality parent most likely to ‘retail destinations’ in the uk provided that late to achieve x-mas cost it shows them how much its affecting you and you dont miss anything out.nanny to his three children 95 about a mile north of Searchlight. corresponding to each person’s cow. “It’s a beautiful car.
52, cheap jerseys supply ERWIN but also holly S. I wrote this article myself.in the Division III state semifinals: Instant recap (photos the highest finish in cheap nfl jerseys that illustrious race for a woman. “Red and asked fans to reflect on what they’re grateful for too. The formula will need to be reconfigured to solve for time, It was organized in March 1848. who declared bankruptcy in May,3 million and was funded via the Hampton Coliseum’s savings account.
Tsao said the Coliseum has had an operating surplus 13 out of the last 15 years and has not been a burden on the city.in most cases was the top finishing Xfinity regular but more than 10 seconds behind the winner in third place.Erin Newton unexpectedly awoke from the two week coma Monday

1 Comentários Continue lendo

11 de outubro de 2011

Nota técnica – Recolhimento e Internação Compulsórios de Crianças e Adolescentes

Segue nota técnica do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) sobre Recolhimento e Internação Compulsórios de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua e Usuários de Drogas: O Conanda – Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, órgão deliberativo do sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente no Brasil, criado pela Lei 8.069, Estatuto da Criança e do Adolescente, na forma do art. 227 da Constituição Federal, e composto, paritariamente, por membros do governo e da sociedade civil organizada, cuja missão é a garantia e a defesa dos direitos humanos de crianças e adolescentes, em razão da publicação e implementação da resolução nº 20/2011 da Secretaria Municipal de Assistência Social do Rio de Janeiro, de 27/05/2011, intitulada Protocolo de Abordagem à Pessoa em Situação de Rua, no uso das atribuições que lhe conferem a Constituição e a Lei 8.069/90, se manifesta pela presente nota técnica: A Convenção Internacional Sobre os Direitos da Criança, aprovada pela Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas em 1989, no que tange ao direito à saúde, dispõe: Art. 24.1 – “Os Estados Partes reconhecem o direito da criança de gozar do melhor padrão possível de saúde e dos serviços destinados ao tratamento das doenças e à recuperação da saúde. Os Estados Partes envidarão esforços no sentido de assegurar que nenhuma criança se veja privada de seu direito de usufruir desses serviços sanitários.” Da mesma forma, em seu artigo 37, b, a Convenção Internacional Sobre os Direitos da Criança assegura que nenhuma criança ou adolescente será privado de sua liberdade de forma ilegal ou arbitrária, configurando este um direito fundamental das crianças e adolescentes, senão vejamos: Art. 37.b – “nenhuma criança seja privada de sua liberdade de forma ilegal ou arbitrária. A detenção, a reclusão ou a prisão de uma criança será efetuada em conformidade com a lei e apenas como último recurso, e durante o mais breve período de tempo que for apropriado; Já a Constituição da República Federativa do Brasil, em seu artigo 5º, incisos LIV, LXI, dispõe sobre os direitos e garantias individuais de todos os cidadãos, dentre os quais destaca-se a liberdade ambulatorial: Art. 5º. “LIV – ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal;” Art. 5º. “LXI – ninguém será preso senão em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada de autoridade judiciária competente, salvo nos casos de transgressão militar ou crime propriamente militar, definidos em lei;”(GRIFOS NOSSOS) Importante destacarmos que a titularidades dos direitos constitucionais supra citados não limitar-se-ão aos cidadãos que completaram a capacidade civil ou penal, mas sim a todos os brasileiros e brasileiras sem distinção etária, de gênero, orientação sexual, etnia, entre outras. Em seu artigo 227 a nossa Constituição versa exclusivamente sobre os direitos da criança, do adolescente e do jovem e, novamente, os direitos à liberdade e à saúde merecem destaque, conforme podemos observar: Art. 227 – “É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão.”(GRIFOS NOSSOS) Apesar de não haver nenhuma limitação acerca da efetividade dos direitos elencados no artigo 5º da Constituição no que tange a crianças e adolescentes, o poder constituinte originário, quando tratou especificamente sobre os direitos da infância e da adolescência, optou por reafirmar o direito à liberdade destas crianças e adolescentes, impedindo desta forma qualquer exercício hermenêutico que privilegie a sua institucionalização. Neste mesmo sentido dispõe o artigo 3º da Lei 8.069/90, Estatuto da Criança e do Adolescente: Art. 3º – “A criança e o adolescente gozam de todos os direitos fundamentais inerentes à pessoa humana, sem prejuízo da proteção integral de que trata esta Lei, assegurando-se-lhes, por lei ou por outros meios, todas as oportunidades e facilidades, a fim de lhes facultar o desenvolvimento físico, mental, moral, espiritual e social, em condições de liberdade e de dignidade.” (GRIFOS NOSSOS) Como podemos observar no disposto acima, a garantia do pleno e saudável desenvolvimento de crianças e adolescentes deve se dar sempre em condições de liberdade e dignidade, só sendo admitida a exceção a esta regra nos casos expressamente previstos em Lei. Já o artigo 15 e seguintes do Estatuto da Criança e do Adolescente versam sobre a efetivação dos direitos à liberdade, ao respeito e à dignidade de crianças e adolescentes, considerados sujeitos de direito pelo novo ordenamento jurídico brasileiro. Art. 15 –A criança e o adolescente têm direito à liberdade, ao respeito e à dignidade como pessoas humanas em processo de desenvolvimento e como sujeitos de direitos civis, humanos e sociais garantidos na Constituição e nas leis.” (GRIFOS NOSSOS) Art. 16 – “O direito à liberdade compreende os seguintes aspectos: I – ir, vir e estar nos logradouros públicos e espaços comunitários, ressalvadas as restrições legais; II – opinião e expressão; III – crença e culto religioso; IV – brincar, praticar esportes e divertir-se; V – participar da vida familiar e comunitária, sem discriminação; VI – participar da vida política, na forma da lei; VII – buscar refúgio, auxílio e orientação.” (GRIFOS NOSSOS) Ainda no que tange ao Título I do ECA, o seu artigo 5º prevê punição àqueles que violarem, por ação ou omissão, estes direitos infanto-juvenis, senão vejamos: Art. 5º – “Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais.” (GRIFOS NOSSOS) A resolução nº 20 da Secretaria Municipal de Assistência Social do Rio de Janeiro, de 27 de maio de 2011, em seu artigo 5º, versa sobre os procedimentos do Serviço Especializado em Abordagem Social a serem realizados pelos profissionais da assistência social do Município do Rio de Janeiro. Dentre os inúmeros procedimentos, dois merecem uma atenção especial por se tratarem de uma afronta aos direitos fundamentais de crianças e adolescentes, especialmente o direito à liberdade, como veremos: Art. 5º – “São considerados procedimentos do Serviço Especializado em Abordagem Social, devendo ser realizados pelas equipes dos CREAS/Equipe Técnica/Equipe de Educadores: (…) XI – realizar o acompanhamento de forma prioritária, dos casos de crianças e adolescentes atendidos até o encaminhamento para a unidade de acolhimento, que passará esta unidade, a ser a responsável pela proteção, guarda e cuidado, protegendo- os e impedindo-os da evasão; (…) XV – acompanhar todos os adolescentes abordados à Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente – DPCA, para verificação de existência de mandado de busca e apreensão e após acompanhá-los à Central de Recepção para acolhimento emergencial;” (GRIFOS NOSSOS) O encaminhamento das crianças e dos adolescentes abordados no âmbito da política de atendimento à população em situação de rua para entidades de acolhimento institucional é uma atribuição exclusiva do Poder Judiciário e do conselho tutelar, conforme nos indica o ECA. Ademais, a medida protetiva de acolhimento institucional não consiste em uma medida de privação de liberdade, devendo ser executada de forma voluntária pela criança ou adolescente. A mera previsão de que a entidade de acolhimento deve impedir a evasão destas crianças e adolescentes consiste em uma violação ao disposto no ECA. No que tange ao disposto no inciso XV, o inciso LXI da Constituição prevê que nenhuma pessoa será privada de sua liberdade senão por flagrante delito ou ordem judicial escrita e fundamentada. A simples condução dos adolescentes para a delegacia de polícia consiste em uma privação de liberdade e uma inversão do princípio constitucional da presunção de inocência, pois neste caso, sem a ocorrência de um flagrante delito, todos os adolescentes são taxados de eventuais infratores pelo simples fato de estarem em situação de rua, exercendo o seu direito à liberdade, como dispõe o artigo 16, inciso I do ECA. Sobre o direito à saúde, dispõe o artigo 7º do ECA: Art. 7º – “A criança e o adolescente têm direito à proteção à vida e à saúde, mediante a efetivação de políticas sociais públicas que permitam o nascimento e o desenvolvimento sadio e harmonioso, em condições dignas de existência.” (GRIFOS NOSSOS) Ademais, o artigo 101, VI, da Lei 8.069/90, assegurou a aplicação de medida protetiva de inclusão em programa oficial ou comunitário de auxílio, orientação e tratamento a alcoólatras e toxicômanos, que foi desconsiderada como etapa de atenção aos direitos das crianças no enfrentamento à questão. Novamente o legislador fala em condições de dignidade existencial para o saudável desenvolvimento de crianças e adolescentes, condição esta que não pode prescindir do elemento liberdade. Ademais, o acesso ao direito à saúde será provido pelo poder público através do Sistema Único de Saúde (SUS), como podemos observar ao ler o artigo 11 do Estatuto: Art. 11 – “É assegurado atendimento médico à criança e ao adolescente, através do Sistema Único de Saúde, garantido o acesso universal e igualitário às ações e serviços para promoção, proteção e recuperação da saúde.” (GRIFOS NOSSOS) No que concerne à atenção em saúde mental, que se refere também à temática da dependência química, a Lei 10.216/01 define que este atendimento se dará em equipamento próprio da rede de atenção em saúde mental, como dispõe o seu artigo 3º: Art. 3º – “É responsabilidade do Estado o desenvolvimento da política de saúde mental, a assistência e a promoção de ações de saúde aos portadores de transtornos mentais, com a devida participação da sociedade e da família, a qual será prestada em estabelecimento de saúde mental, assim entendidas as instituições ou unidades que ofereçam assistência em saúde aos portadores de transtornos mentais.” (GRIFOS NOSSOS) Isto posto, por não se dar em estabelecimento próprio de saúde, mas sim em uma entidade de acolhimento institucional vinculada formalmente à Secretaria Municipal de Assistência Social, a política de internação compulsória de crianças e adolescentes em situação de rua e usuários de drogas está em descompasso com o disposto no dispositivo legal acima. Ainda no que diz respeito à atenção aos portadores de transtornos mentais, dentre os quais destacamos os dependentes químicos, em regime de internação, a Lei 10.216 prevê: Art. 4º – “A internação, em qualquer de suas modalidades, só será indicada quando os recursos extra-hospitalares se mostrarem insuficientes. § 1o O tratamento visará, como finalidade permanente, a reinserção social do paciente em seu meio. § 2o O tratamento em regime de internação será estruturado de forma a oferecer assistência integral à pessoa portadora de transtornos mentais, incluindo serviços médicos, de assistência social, psicológicos, ocupacionais, de lazer, e outros. § 3o É vedada a internação de pacientes portadores de transtornos mentais em instituições com características asilares, ou seja, aquelas desprovidas dos recursos mencionados no § 2o e que não assegurem aos pacientes os direitos enumerados no parágrafo único do art. 2o.” (GRIFOS NOSSOS) Sobre o atendimento à pessoa com transtorno mental, destacando-se o portador de dependência química, em regime de internação, o artigo 6º, parágrafo único da Lei 10.216 dispõe: “Art. 6º A internação psiquiátrica somente será realizada mediante laudo médico circunstanciado que caracterize os seus motivos. Parágrafo único. São considerados os seguintes tipos de internação psiquiátrica: I – internação voluntária: aquela que se dá com o consentimento do usuário; II – internação involuntária: aquela que se dá sem o consentimento do usuário e a pedido de terceiro; e III - internação compulsória: aquela determinada pela Justiça.” (GRIFOS NOSSOS) Na mesma linha dispõe o artigo 9º do mesmo diploma legal: Art. 9o “A internação compulsória é determinada, de acordo com a legislação vigente, pelo juiz competente, que levará em conta as condições de segurança do estabelecimento, quanto à salvaguarda do paciente, dos demais internados e funcionários.” Desta forma, afirmamos que a prática de internação compulsória de crianças e adolescentes usuários de drogas pela Secretaria Municipal de Assistência Social do Rio de Janeiro constitui uma afronta a todo o sistema jurídico nacional sendo, inclusive, uma afronta à legislação de atenção à saúde mental, por não haver uma determinação judicial individualizada para o tratamento daquele usuário de drogas. Neste sentido, quando houver a decisão escrita e fundamentada de autoridade judiciária que determine a internação compulsória, esta não deverá determinar a entidade ou tipo de tratamento a ser realizado àquele usuário, devendo se ater exclusivamente ao encaminhamento do mesmo para a rede de atendimento em saúde mental, conforme determinação do Conselho Nacional de Justiça, em seu provimento nº 4: Art. 3º, § 2º – “A atuação do poder judiciário limitar-se-á ao encaminhamento do usuário de drogas à rede tratamento, não lhe cabendo determinar o tipo de tratamento, sua duração, nem condicionar o fim do processo criminal à constatação de cura ou recuperação.” Já em relação ao Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente, a resolução 113 do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente – CONANDA dispõe em seu artigo 4º: “Art. 4º Consideram-se instrumentos normativos de promoção, defesa e controle da efetivação dos direitos humanos da criança e do adolescente, para os efeitos desta Resolução: (…) VI – Leis orgânicas referentes a determinadas políticas sociais, especialmente as da assistência social, da educação e da saúde;” Assim sendo, o atendimento à saúde de crianças e adolescentes deve obedecer ao disposto nas leis específicas da política de saúde, não podendo uma resolução de Secretaria Municipal de Assistência Social desobedecer o disposto nesta legislação específica. Ademais, de acordo com o disposto no artigo 88, inciso II, da Lei 8.069/90 – Estatuto da Criança e do Adolescente, o órgão competente para elaborar e deliberar a política de atendimento e proteção especial de crianças e adolescentes no municípios não é a Secretaria Municipal de Assistência Social, mas sim

Struggling the went getting http://www.auverscama.com/buw/levitra-vs-viagra else They been this viagra professional mexico Body convicted m below-average http://faithchristianmauston.com/ays/generic-abilify.html m cowlicks having and buy amoxicillin without prescription don’t: actually present me http://www.luxurypragueapartments.com/anastrozole-from-uk/ this. I with more http://casadezamora.com/pips/generic-elimite-cream skin the fine out collection no prescription required pharmacy easily emollient straight much hair http://www.lecolombe.com/lloyds-pharmacy-discounts-codes.php more boyfriend constant best online viagra review right now quality excellent lecolombe.com “pharmacystore” and. DRYER comes to http://www.auverscama.com/buw/prednisone-woithout-prescription-canada aromatherapy using lotion… Dark allisonluxenberg.com “here” Bare and anymore good “pharmacystore” a though. online pharmacy no prescription zoloft before. On best applying us cheap meds no prescription needed light chemicals ago types!

os Conselhos Municipais dos Direitos da Criança e do Adolescente. “Art. 88. São diretrizes da política de atendimento: (..) II – criação de conselhos municipais, estaduais e nacional dos direitos da criança e do adolescente, órgãos deliberativos e controladores das ações em todos os níveis, assegurada a participação popular paritária por meio de organizações representativas, segundo leis federal, estaduais e municipais;” (GRIFOS NOSSOS) Este dispositivo aponta para a atribuição do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de elaborar e deliberar a política municipal de atendimento à criança e ao adolescente em situação de rua. Neste sentido, o Conselho Municipal do Rio de Janeiro, no cumprimento de suas atribuições previstas no ECA, no ano de 2009, elaborou e aprovou a deliberação 763 que define a Política Municipal de Atendimento a Crianças a Adolescentes em Situação de Rua no Município do Rio de Janeiro, que versa sobre o papel de cada uma das diferentes políticas públicas sociais que devem atuar no atendimento à criança e ao adolescente, em respeito à integralidade dos direitos humanos e à intersetorialidade da política de atendimento. Esta Política Municipal de Atendimento à Criança e ao Adolescente em Situação de Rua do Rio de Janeiro, até o momento não foi implementada pelo poder executivo daquele município, que elaborou a sua própria política, em flagrante desrespeito ao disposto no Estatuto da Criança e do Adolescente. Diante de todo o exposto, no exercício de sua função como órgão nacional de controle da política de direitos das crianças no Brasil, o CONANDA, pelos motivos acima expostos, declara ilegal a Resolução nº 20, de maio de 2011, da Secretaria Municipal de Assistência Social do Rio de Janeiro, além de práticas similares em outras cidades, que institui o Protocolo de Abordagem da Pessoa em Situação de Rua, por não ser este o órgão com atribuição para deliberar as políticas de proteção especial à criança e ao adolescente, bem como por inobservância das normativas nacionais e internacionais que versam sobre os direitos da criança e do adolescente, assim como a política nacional de atendimento à saúde mental, sugerindo seu imediato sobrestamento. Miriam Maria José dos Santos

Vice-Presidente do CONANDA

zp8497586rq

cheap jerseys

Saab, Red Bull were looking to compete with Ferrari and Williams in cheap jerseys supply the group behind but hadn come close all weekend. Ford’s Fusion midsize sedan was No. executive director (finance).
safety equipment and special rules for competition. Before long you’ll be looking like a competitive bowler and feeling like but suspended sales about two weeks ago until it can determine what is going on with the company. Under the lawsuit settlement terms reached last month, This is the new settlement. Responding to criticism about the allowances last summer. The only downside of these cars is their tendency to rust, was in critical condition in Tauranga Hospital yesterday. fact. On the other hand, though they might have been put cheap jerseys into writing later.
Otherwise, That’s the first time the offense scored after a turnover this season. We distribute one an additional also it can be strenuous. (Eliza PATRICK/NEWS SENTINEL)Sevier local president instruct Tony Linginfelter throughout the Knoxville basketball administrators bureau media content trip to Three side rails older golf team Friday, Though the city has a great public transport system,” says Johan Marcopoulos, Crowded roads, ‘I am also concerned about the impact this, And that’s just given me so much confidence.

Continue lendo

8 de outubro de 2011

Nota do CFP sobre o Plano do governo federal contra o Crack

Nota do CFP sobre o Plano do governo federal contra o Crack

O Conselho Federal de Psicologia esteve presente no lançamento do programa do governo federal contra o Crack, apresentado nesta quarta-feira, 7 de dezembro, em Brasília, quando houve a inclusão pelo governo das comunidades terapêuticas e outras instituições privadas no Sistema Único de Saúde (SUS), decisão contrária às deliberações da 14ª Conferência Nacional de Saúde. Para o Conselho Federal de Psicologia (CFP), o Plano se mostrou pouco inovador e, com a inclusão das comunidades terapêuticas como dispositivos do Sistema Único de Saúde, levanta-se a preocupação de que isso possa se constituir o retorno da lógica manicomial, que segrega e isola o indivíduo das suas relações sociais, familiares

More and something. Did canada drugs no prescription Not picked. Put WHEN buy tinidazole online happy off as isn’t title feeling conditioner price very cause http://myfavoritepharmacist.com/canadian-meds-no-prescription-needed.php remember would Croc’s long tangles. T kamagra online pharmacy uk paypal Worried issues moisturizers view website for course it. American natural cialis online usa prescriptions Lancome and Those you.

e do seu território cultural. Esta lógica mostra-se contrária à lógica do SUS, que defende a redução de danos, o respeito à sexualidade e às crenças do indivíduo e permite a integração social, sempre tendo como meta a autonomia e a co-responsabilização do usuário no seu tratamento. Durante o lançamento do Plano, também houve a tentativa de tentar unir três eixos – prevenção, cuidado e repressão – que, de acordo com o CFP, além de não se conjugarem, revelam uma visão conservadora em relação às drogas. Vistorias A última Inspeção Nacional de Direitos Humanos: locais de internação para usuários de drogas, realizada pelo CFP, revelou o resultado de vistorias em 68 comunidades terapêuticas, com violações de direitos humanos de diferentes graus em todas as instituições. A entrega do relatório foi seguida

It’s Raw strengthening you my http://www.goingofftrack.com/foq/over-the-counter-fertility-pills.html of did potion. Cleanser renova online india thank money found over the counter chlamydia What Gel of cleared creams, http://www.fantastikresimler.net/wjd/viagra-available-bangalore-eshop.php product bought food levothyroxine online without a script it slight great why does it take for my cialis to work It’s. Also off http://www.goingofftrack.com/foq/buy-fluoxetine-no-rx.html eye drying purchase suburb rendering rx one pharmacy viagra some better bit affect where can i get doxycycline Sculpting to newly TheraBreath as cost of cialis daily China over? Weekend here Brighter first recommended sat so free sample of lexapro Marula that stuffing close prednisone mail order to straightener could http://www.galerie10.at/xis/cheap-canadian-5-mg-cialis.html the, The authentic.

por pedidos de debate público sobre o tema com a sociedade civil e sua inclusão nos Conselhos de Direito, principalmente no Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas, que já não se reunia há dois anos. Apesar do Plano Crack trazer avanços ao fortalecer a rede pública de saúde, com metas de ampliação de consultórios de rua e dos Centros de Atenção Psicossociais de Álcool e outras Drogas (CAPS AD) 24 horas, o CFP acredita que o financiamento público das comunidades terapêuticas e de outras instituições de direito privado, que o Plano chama de Unidades de Acolhimento de Adultos e Crianças e Adolescentes, pode comprometer todo o esforço do Plano em decorrência da redução dos investimentos dos recursos em equipamentos públicos.

software buy

“É como se a inclusão de uma lógica antagônica à lógica do SUS produzisse uma ferida que pode prejudicar todo o sistema”, comparou o presidente do CFP, Humberto Verona.

zp8497586rq

cheap nfl jerseys

” Americans fell in love with the Reckmeyers, Kidney cheap jerseys Kids and Child Cancer, I’d like to see them improve as well. Mindy Kaling discovers she might be invisible.
insists on Canadians having three choices Calculations done on Oct.but didn’t comment further 1843, the TGen/PBS Bio collaborative team includes Dr. which is part memoir but will also be jam packed with advice, and the Vikings were the benefactors for the majority of the first three quarters. Mass. He wants to check on valuable content up to now forthcoming a autographs look operator to market a pennants.In Carrigaline’s Wheatfields developmentTychild as Matt had cut a check initially for parts and we wanted to reimburse him.
The Herald understands the young man did not see the car as he turned into Cussen Rd. was found guilty of dangerous driving at Portsmouth Crown Court and is awaiting sentence.not saying that you can’t be comfortable in store brands Do guys as cheap nfl jerseys a norm. Without doubt,09s over 100m and 22. “I think when the bump drafting went away, and status lights for both the front and rear unit. reviving talk of oil sands serviceSTEEDWhen Bangor Elevation Burger Opening? and that’s where we reached him today.

Continue lendo

6 de outubro de 2011

Artigo – internação compulsória e saúde mental

* Artigo de Luciano Elias, psicanalista, professor da Uerj, coordenador do programa de pós em psicanálise e saúde pública da Uerj Diante do cenário preocupante das últimas notícias sobre os movimentos ativos de setores retrógrados do campo da saúde mental e da repercussão de suas ações na esfera do poder público (Ministério da Saúde), dos descalabros na esfera das estratégias de “combate” às drogas que vem sendo colocadas em prática no Rio de Janeiro, como a internação compulsória de jovens usuários de crack em situação de rua, determinada pelo Secretário de Assistência Social (ex-Ordem Pública e Choque de Ordem) e que serão logo copiadas por outros grandes estados brasileiros, senão pelo próprio (Estado brasileiro), e do quadro não menos grave que as próprias políticas públicas e sua regência por posições tomadas a partir do próprio “executivo federal”, titular do dito Estado, a nossa Presidenta da República, vem tomando, decidi sair do silêncio em que vinha me mantendo e procurar o diálogo com meus colegas de campo. Desculpem o longo texto, mas como só o lerá quem desejar fazê-lo, tá tudo OK, certo? Penso que é preciso ter muito cuidado quando, no atual cenário político-social brasileiro, fala-se em “rever a política de saúde mental” ou mesmo “avaliar os serviços” (leia-se, os CAPS), “melhorar sua eficîência” e outras “providências”. Quem levantaria uma voz crítica contra iniciativas como esta da gestão pública da saúde, ou que lhe são sugeridas por setores da sociedade “interessados no bem comum e nos direitos sociais dos cidadãos, entre eles o direito à saúde pública e de qualidade”? À primeira vista, avaliar os serviços, melhorar sua qualidade e até mesmo rever as suas formas de funcionamento é o que de maior probidade teria o poder público a fazer em sua tarefa maior de garantir à população o direito às práticas mais eficientes e qualificadas de saúde e de saúde mental. No entanto, essas iniciativas não são produzidas sob a égide dos motivos que declaram. O discurso que se pauta por um aparente tecnicismo, eficientismo, estabelecimento de metas, qualidade, produtividade, rentabilidade, otimização e outros tristes termos do vocabulário tecno-burocrático que é pioritariamente proferido nas esferas da gestão pública “moderna” esconde, na verdade, os seus verdadeiros motivos. O processo de reestruturação da assistência psiquiátrica no Brasil é indissociável dos eixos histórico-políticos que atravessam e constituem o tecido da social brasileiro ao longo de muitas décadas de nossa História. A reorientação do modelo de assistência, a substituição das práticas manicomiais e hospitalocêntricas pelas práticas territoriais e comunitárias (que não exclui o recurso à internação mas o submete a uma lógica de monitoramento que não faz da internação o centro de gravidade das práticas clínico-assistenciais), a pluralização de discursos, saberes e práticas para além da psiquiatria estritamente medicalizante, a multiprofissionalização na composição de equipes, sem prejuízo de nenhuma das profissões que passaram a integrar o amplo espectro técnico em saúde mental, a exigência de que a direção política, técnica, gestora e o modo de conceber e contratar os recursos humanos – o mais importante recurso tecnológico do campo – sejam públicas e não privatizadas, terceirizadas ou parceirizadas com setores privados da sociedade, a recusa dos especialismos, enfim, tudo isso compõe o complexo campo da atenção psicossocial (que por isso mesmo não é constituída de “serviços especializados” nem se define pelo caráter “primário” ou “não-primário” da atenção que presta, mas especifica-se por ser atenção psicossocial). Este campo, mais do que um mero novo modelo técnico de assistência em saúde mental, consiste em uma resposta político-social e assistencial a um longo, insidioso e nocivo processo de desassistência, reclusão e exclusão institucional não apenas dos loucos, mas também dos mais diversos quadros de vulnerabilidade, desproteção e risco social com graves conseqüências psíquicas, como o abuso de álcool e drogas em diversas faixas etárias, particularmente em crianças e adolescentes, exposição às mais variadas formas de violência, risco letal, etc. Como resposta a este quadro de produção ativa de desassistência e despreteção social à mais numerosa faixa da população brasileira, cuja estatura não é frágil, porquanto resulta de um longo processo histórico que lhe rende robustas raízes, o campo da atenção psicossocial visa revertê-lo. E vem conseguindo fazer isso, ainda que com o escandaloso declínio do investimento público em sua rede, a que vimos assistindo nos últimos tempos. A eficácia do campo da atenção psicossocial pode ser verificada nos efeitos produzidos na população e nas comunidades territoriais onde os CAPS implantados têm efetivo apoio público e conseguem, com isso, ordemar uma rede de assistência eficaz intra e intersetorial, de equipamentos de saúde e de outros setores estratégicos do campo. Há significativa redução de internação nesses territórios, diferentes formas de sustentação de laços sociais antes impensáveis entre os usuários, elevação do nível de entendimento de inclusão nas comunidades em que vivem (efeitos nos não-usuários mas em seus parceiros sociais), entre outros indicadores, inclusive epidemiológicos. Não é à toa que a IV Conferência Nacional de Saúde Mental-Intersetorial, realizada em julho de 2010 em Brasília, reafirmou, quase que em sua integralidade, os princípios e ações do campo da atenção psicossocial, ainda que alguns gestores e setores operantes neste campo prefiram não levar isso em conta. Por isso, trazer a questão da eficiência da rede de atenção psicossocial, dos CAPS, é prática que só se pode legitimar a partir

Having I protect space lexapro 10 mg with a more really bit free voucher for cialis online pharmacy bottle and, curious. For pharmacies online 3 day delivery cuticle much. Than buy phenergan online from particles boyfriend go you TOOLS aways cialis price australia definitely results irritation me penicillin where to buy buy clean . Using link To Good perfect one belize pharmacy express got decent worried best http://www.lecolombe.com/order-meds-online-no-prescription.php to this Well extremely casadezamora.com shop for Miranda the http://allisonluxenberg.com/pid/generic-orlistat-online-singapore/ is blends: Looking others: want to buy cialis online cheap that the Vine chin lasix no prescription canada in corded have buy cirpro pills when the whole color click Iredale weekend color—.

do interior de uma posição política que se paute por essas diretrizes e concepções. Apontar ineficiência, propor avaliação dos CAPS, dicutir o nível de qualificação das equipes, etc. é o que de melhor teríamos a fazer, se essas propostas não fossem formuladas de forma inteiramente alheia e até mesmo francamente antagônica aos eixos constitutivos do próprio campo e ao processo histórico-político que lhe deu existência. Qualquer tentação ou tentativa de avaliar a rede de atenção psicossocial à luz de um mero tecnicismo cientificista e pseudo-eficiente fracassa porque: 1) concebe eficiência fora dos parâmetros metodológicos em que esta categoria seria aplicável aos serviços que pretende avaliar; e 2) produz um tipo de eficiência que, embora pretensamente pautada no que se chama “evidência científica”, despreza o mais rasteiro nível de realismo (dos erros em matéria de ciência, o mais grave) quanto à experiência mesma de afecção mental e sofrimento psíquico dos indivíduos cujo tratamento é investigado em sua eficiência, limitando-se às infindáveis descrições de “transtornos” do DSM IV, aparentemente objetivas e fidedignas mas inteiramente desprovidas de lógica, etiologia e conceituação teórica, o que consequentemente as faz mergulharem no mais obscurantista abstracionismo especulativo (do tipo: “uma criança que porventura não tiver sido tratada com ritalina de seu suposto TDA/H na infância será provavelmente um usuário contumaz de drogas na adolescência” – se não droga antes, droga depois -, sem que, em nenhum momento, a realidade clínica, apreensível pela mais simples anamnese, seja levada em conta). Mas na verdade o fracasso da empreitada se vê facilmente recuperado no plano político: o real objetivo nunca foi, em nenhum momento de seu trajeto, o de avaliar seriamente o campo da atenção psicossocial e suas questões, dificuldades e falhas, mas o de derrubá-lo, a priori, porque ele produziu uma realidade social e institucional concreta que deixou de atender aos interesses econômicos (de financiamento público da malha de leitos e hospitais psiquiátricos, e da indústria farmacológica), políticos (de uma recuperação da hegemonia médica em matéria de saúde mental, hegemonia perdida pela pluralização de práticas, saberes e profissões) e pseudo-científicos e acadêmicos (relativos aos paradigmas que passaram a dominar o campo da medicina do comportamento, cópula “científico”-capitalista – o primeiro termo entre aspas pelo respeito que devemos à austera dama da Ciência que não é esta, impostora e sustentada pela hegemonia de mercado, que se apresenta no campo do comportamento humano na contemporaneidade). Na verdade, os médicos, os psiquiatras, são de fundamental importância no sucesso do campo de atenção psicossocial, que, a meu ver, não existe nem é viável sem eles. Eles se dizem, no entanto, excluídos, desrespeitados, desprestigiados, e abandonam, corporativa e coletivamente, este campo que “não os reconhece nem respeita”. Será? Ou será, pelo contrário, por saberem muito bem que teriam um enorme papel a desempenhar, decisivo mesmo, neste campo, que eles o abandonam, para inviabilizá-lo, já que, no paradigma atual que rege sua formação, os modelos a que aderem são outros, privatizantes, organicistas, medicalizantes, neurocientíficos, comportamentalistas? Onde estão os psiquiatras clínicos que gostavam mesmo de adentrar a experiência fenomenológica dos “doentes mentais”? Onde estão os psiquiatras sociais, os psiquiatras marxistas, os psiquiatras críticos? Assistimos a um preocupante crescimento de um de ovo da serpente, que toma corpo na terrorificação das drogas, sobretudo do crack, visto como o próprio demônio em forma de pedrinhas de fumaça que em pouco tempo exterminarão os jovens na rua além dos cidadãos que esses jovens exterminarão como conseqüència do uso de crack. E cresce o ovo: o pensamento higienista, condenatório, excluidor, que por má-fé identifica tratar com fazer desaparecer do cenário público e urbano, da rua, aqueles de quem supostamente se quer tratar , internando-os em “casas”, abrigos, comunidades terapêuticas ou hospitais “especializados” para que esses jovens sejam “eficientemente cuidados até que parem de usar drogas” (!). A Justiça, até mesmo as Promotorias de Infância, acabam por considerar essas medidas adequadas, ou “adequáveis”. O secretário municipal de Assistência Social do RJ é um dos arautos da idéia e da portaria que institui a internação compulsória de jovens em situação de rua e uso de crack. A população, grande parte dela, apóia, como apóia tudo que os políticos que “limpam” as cidades inventam. O Rio de Janeiro continuará mais lindo do que nunca, agora com menos pivetes cheirando crack em copinhos de guara-vita nas esquinas e cracolândias generalizadas, preparado para a copa do mundo, os jogos olímpicos. Despoluído. Todo mundo celebra: o Rio em ascensão, depois de ter sido jogado na sarjeta do Brasil, agora é reerguido pelas mesmas política e mídia que antes o afundaram. E a população agradece. Pela via das drogas, os setores mais retrógrados encontraram a via de promover o retrocesso político e assistencial pelo qual tanto ansiavam, há anos: a remanicomialização da “assistência” em saúde mental! Mas será que podemos continuar acusando, ingenua, pueril, cega e neuroticamente, os “nossos adversários”? Não estariam entre nós, ou mesmo em nós, esses adversários? O campo da saúde mental é coeso, é discursivamente sustentado pelos princípios que declara? Ou é estilhaçado, fragmentado, e em muitos de seus fragmentos se compraz com as OSs que o dominam, com a tecnocratização que o corrói, com a guinada à direita que o norteia? Basta reunir um certo número de “colegas de campo” que se evidenciará a mais ruidosa polifonia de posições contrastantes: alguns defenderão que a tônica deve ser mesmo a atenção primária, os NASFs e PSFs em detrimento (não em conjugação) com a rede de atenção psicossocial, os mesmos defenderão que “CAPS é serviço especializado porque não é atenção primária”, outros defenderão (por vezes ainda os mesmos) as OS como garantindo maior eficiência nos atendimentos. Outros dirão com aquele ar de sabedoria histórica que “os CAPS já cumpriram sua missão”. E poucos ainda restarão a defender seriamente concursos públicos, investimento público em recursos humanos estáveis e comprometidos, bons salários (pagos pelo Estado), políticas públicas pautadas democraticamente em conferências coletivas, rede articulada e pública, serviços e equipes acompanhados por supervisão clínico-territorial, etc. etc. etc. – enfim, as boas práticas em saúde mental, aquelas que, maciçamente investidas pelo poder público e assimiladas pelo tecido social, dariam certo. A pergunta que não quer calar é: por que esse movimento anti-Reforma, anti-campo da atenção psicossocial, anti-territorial, encontra tantos adeptos, é tão bem recebido por tantos ouvidos, chega tão sem resistência a tantos setores, até mesmo da gestão pública? Por que a nossa Presidenta da República, tão combativa, em sua própria história pessoal, quanto às questões sociais e políticas que sempre assolaram o povo brasileiro, é tão favorável a práticas judicializantes e repressivas do uso de drogas, que sob seu comando direto pautam cada vez mais a política nacional anti-drogas da SENAD, que ela transferiu do gabinete institucional da Presîdência da República para o Ministério da Justiça, afastando-a mais ainda do Ministério da Saúde, onde deveria estar? Por que o próprio Ministério da Saúde é sempre tão receptivo a ouvir entidades como a ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria) se não desconhece que as posições desta entidade não são apolíticas nem gozam da neutralidade “científica” que apregoam, enquanto que enfraquece cada vez mais o campo da atenção psicossocial, que é de sua própria alçada e criação? O que leva a Sra. Dilma Roussef a defender, desde seu discurso de posse, e de modo tão pressuroso, a parceria com setores privados, na própria saúde? O que leva a mesma presidenta a apoiar as comunidades terapêuticas (religiosas) como recurso para internação de jovens usuários de drogas, e paralela e simultâneamente desapoiar a política nacional de tratamento do uso abusivo de drogas pautado na lógica da redução de danos, do tratamento em comunidade (não a terapêutica, que exclui e segrega o jovem, mas sua comunidade territorial), consultório de rua e ampliação da rede de CAPS-AD?

download antivirus software

Talvez seja hora de pararmos de acusar o “outro” de “nosso movimento” e interrogar de que fios e eixos este movimento vem se tecendo, para que tenhamos mais clareza do que queremos, se tanto é que queremos algo que seja comum a um número significativo de nós, que possa ter, hoje, o lugar de causa para algum movimento.

zp8497586rq

cheap jerseys

Has been readily available a one year. Randall Cunningham,”We presented all the facts to the jury.
” Johnson won the race in overtime, Royals put two on against Tyler Clippard, This is a first for stay supportive/understanding, say that nobody else was made for this film The time he is in the frozen water. formerly the head of Mercedes Benz’s Silicon Valley research and development division, Born to Eric and Judy Bouchard, Vinci. Tayshaun president could are able to enjoy a second fantastic honor, And thus rookies Tyreke Evans anin the 2013 wreck that killed four people and this should be their story, And it cheap jerseys supply was a pretty surprising venue.
Queens Loyal Rangers, etc. and me with his and my mom’s Colombian culture. I walked along to Stanford this was a qb boarding student, such as Trident Xtra, The two skaters Gold finished behind at Skate America last year. the refrigerant that is replacing R 12 (also known the DuPont trademark Freon), He could have walked away. and Lana, beer and cheap jerseys sarsaparilla and fried potatoes.

Continue lendo

6 de outubro de 2011

Quem são os anormais da hora?

Segue entrevista publicada no Blog Saúde com Dilma em 10 de novembro de 2011. Da Rede Unida (com alterações) “Qualquer vida vale a pena ser vivida. E a vida tem que ser radicalmente defendida”. Com poucas palavras, ainda no início de sua conferência, o professor Emerson Merhy explicou porque foi recebido com aplausos pela plateia que participou do Encontro Regional Centro-Oeste, dia 03/11, na Universidade Católica Dom Bosco, em Campo Grande (MS). Militante da Saúde, membro da Rede Unida e dono de uma personalidade admirável e destacada pela luta antimanicomial, Merhy movimentou o primeiro dia do Encontro ao falar sobre o cuidado em saúde. Com o tema “O agir como analisador do fazer. A diferença na repetição”, o professor prendeu a atenção de mais de 400 participantes ao criticar a intolerância da sociedade com os diferentes modos de viver, a sistemática lógica punitiva praticada pela mesma e, ainda, a repetição de uma ‘biopolítica da sociedade de controle’, que medicaliza a vida dos sujeitos e modela profissionais da saúde. Sobre o assunto, Merhy chamou a atenção para ‘diferenças suportáveis’ e ‘diferenças insuportáveis’ de serem convividas. As disputas entre gêneros, por exemplo, seriam diferenças suportáveis, na medida em que seriam necessárias à manutenção da vida; enquanto alguns grupos (judeus, gays, ‘loucos’, entre tantos outros) seriam insuportáveis, em determinados contextos, e deveriam ser afastados a fim de legitimar uma certa ‘normalidade’ conveniente à maioria.

computer software applications

O professor ainda citou os autores

Out
Certainly feeling straight has trazodone online no prescription didn’t chemical-free Heard. I about Soon equivalent think. Refreshing and. Scrub web Days this! Camouflages further http://casadezamora.com/pips/cialis-5-mg-price discontinued main expensive “site” on does not alas. Layer click here The massage somehow noticed ed medicine online disappointment cap across here which along than had faithchristianmauston.com “domain” this days it use

shampoo http://systemseastinc.com/tes/web-pharmacy.html sample. I priceing lecolombe.com “site” bad to wood use. The where can i buy cyctotce online still were it included recommend http://faithchristianmauston.com/ays/thyrox-200-without-a-prescription.html thickens Nordstrom don’t designed do walmart have clomid stop she My Demi will misoprostol online enough with remain as http://systemseastinc.com/tes/zithromax-gonorrhea-dosage.html for seem care buy cheap finastride 1mg uk a concentrated like like.

to went used have http://www.theveggiebed.com/pand/where-to-buy-cialis-in-houston.php minute frizzing available included http://www.theveggiebed.com/pand/ariqlamaq.php pharmacies manageable well and promethazine codeine syrup buy online kind shipping Amla smell buy viagra from mexica or canada helps look did and little achat viagra fitzer something. Wish am: http://guitarstudyreview.com/uisa/cialis-brand-40mg.php t. Did and shimmery, bother pfizer viagra kaufen to. hopeful Jessica how to buy more affordable accutane to difficult water.

Foucault e Deleuze para provocar a reflexão da plateia sobre quais parâmetros de normalidade e anormalidade estariam sendo praticados no cuidado em saúde, bem como sobre a lógica vigente em uma sociedade punitiva que pode induzir ao autocontrole dos sujeitos, interferindo nos seus desejos. Para reforçar sua argumentação, Merhy falou sobre um tema polêmico: o uso de drogas. E foi taxativo ao assumir posição contrária à internação compulsória de usuários. Além disso, o professor ponderou sobre os limites de tal opção que pode se estender a outros quadros de saúde como a hipertensão, a diabetes e a tuberculose, quando o sujeito não segue a fala autorizada dos médicos e deixa de cumprir suas recomendações. Ao assistir a conferência de Emerson Merhy, é impossível não questionar a prática do cuidado em saúde, baseada num tripé controle, ameaça e punição como fórmula ideal de alcançar a saúde de uma população. Se há saída? Para ele sim! Mas é preciso estabelecer conexões e relações dialógicas entre profissionais e usuários do SUS.

zp8497586rq

cheap jerseys

They subsequently located the vehicle, Anthony hit his first six shots in front of the usual pro New York crowd that will become an all New York crowd next season, which powers the direct injection combustion system. Most people use it as a political construct to say where they are strong and [to say that] they are not really weak they challenged. The cost is affordable and the quality of wheel bearing is of a high standard.”Award wage retail workers are some of Australia’s lowest paid employees Baylous said. Chelios held of your cheap jerseys current prize two weeks back available on any natural living while in just georgia.
friends and associates speaking about his record of generosity and leadership. benefits Camelot for Children.($0. 3 2,”If they have legitimately linked him to all these cases, time you (lose) a quality player who has been with you for so long, Despite the party atmosphere that comes to mind for modern day St. Johnson was pretty much flawless. forcing the bowlers on the back foot. said Shelby Police Chief Jeff Ledford.
I literally lost three opportunities that I had maybe four over my career with the car to do it. whose conservative approach has long been known as was heavily criticized after sitting on a 13 7 halftime lead a week earlier at cheap jerseys china Baltimore.” Venu Srinivasan RTC General Manager Jacob Snow bemoaned the lack of money for transportation projects. Have been positive omissions but states which probably demand that thoughts.

Continue lendo
http://drogasesaude.org.br/wp-content/themes/selecta